top of page
  • Writer's pictureNuno de Santos Loureiro

A HIPÓTESE DO CINZENTO

Num país a preto e branco

recomendaram-me o cinzento. Um recurso

extraordinário. Com a hipótese do cinzento poderia

ensaiar

soluções inusitadas

experimentar o morno (que não é frio nem

quente)

explorar o lusco-fusco (que

não é noite nem dia) praticar a omissão

(que não é mentira

nem verdade).

[...]

Com a paleta dos cinzentos poderia

aprimorar a arte da sobrevivência que

(como os mansos bem sabem) é

não estar vivo

nem morto.


João Luís Barreto Guimarães

nómada, editora Quetzal, 2018

Comments


bottom of page