Search

Guiné-Bissau - um livro e três datas


Uma incursão num mercado mensal de velharias permitiu-me descobrir e comprar um livro de fotografia sobre a Guiné Bissau, pátria de Amilcar Cabral. Foi publicado em 1975 ou 1976 pelas Éditions Delroisse (Paris) com autoria de Michel Renaudeau, fotógrafo consagrado que esteve a trabalhar em diversos países africanos (Senegal, Guiné Conakry, Mali, Mauritânia, Cabo Verde, etc.) nas décadas de 1970 e 1980.


Através de textos curtos, mas suficientemente detalhados, e de numerosas imagens apresenta-se uma viagem atenta por um país que acabou de conquistar a sua independência nacional. O livro abre com duas fotografias histórias e simbólicas: o arrear da bandeira portuguesa e o hastear da bandeira da República da Guiné-Bissau, no dia 10 de Setembro de 1974.


É perturbador que ao longo do livro o único rosto sorridente seja o de Titina Silá, heroína nacional, uma digna combatente pela independência que foi morta por afogamento no Rio Farim, a 30 de Janeiro de 1973, durante uma emboscada levada a cabo pelas tropas portuguesas que combatiam os guerrilheiros do PAIGC. Nessa data Ernestina (Titina) Silá deslocava-se para a Guiné Conakry, para assistir ao funeral de Amílcar Cabral, assassinado à traição por guerrilheiros do PAIGC dez dias antes...


Folheando o livro vão surgindo imagens do dia-a-dia dos guineenses. Encontram-se também diversas imagens aéreas e duas delas, uma de Gabú e outras das bolanhas (campos de cultivo de arroz), são particularmente bonitas e interessantes. No final, o fotógrafo chega à capital, Bissau.

Recentemente, pediram-me uma data relevante da Guiné-Bissau para fazer uma carta astrológica do país. Sugeri três:

- 20 de Janeiro de 1973, o dia em que Amílcar Cabral foi assassinado e que representa o fim do sonho e da esperança guineenses;

- 24 de Setembro de 1973, o dia em que a independência nacional foi unilateralmente declarada pela Assembleia Nacional Popular e que representa a ilusão e o início do desencanto dos guineenses;

- 10 de Setembro de 1974, o dia em que a Guiné-Bissau se tornou nação independente de Portugal, data reconhecida pela comunidade internacional.

Faltou a data do assassinato de Titina Silá, que é agora relembrado anualmente no país como o dia da mulher guineense.

Ver também:

- Rostos de Guiné-Bissau AQUI

- Amílcar Cabral: "Uma pessoa assim só vai surgir daqui a cem anos", no Público

- Amílcar Cabral, herói lembrado na Guiné.Bissau e Cabo Verde, no VoA

BLOG | Nuno de Santos Loureiro