Search

Outubro terminou e as barragens algarvias ainda não começaram a encher

O Algarve continua em situação de seca severa ou mesmo extrema, e a pouca precipitação que caiu no mês de Outubro não foi suficiente para que as barragens algarvias começassem a encher. Segundo dados da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) publicados no início deste mês na plataforma online do SNIRH (Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos), as barragens algarvias de Arade, Odelouca, Bravura, Beliche e Odeleite, durante o mês de Outubro, perderam em média 3,2% da sua capacidade máxima de armazenamento, fazendo com que as reservas algarvias de água armazenada nas barragens ficassem ainda mais depauperadas. No final de Setembro, recorde-se, a água armazenada correspondia a entre 30 e 40% da sua capacidade máxima, valor significativamente inferior ao normal para a época do ano, que se situa entre os 50 e os 65%.


Com a seca severa que atinge o Sotavento algarvio, e com as barragens de Odeleite e Beliche já praticamente vazias, passou a ser necessário fazer o abastecimento de água às populações rurais através de autotanques e mangueiras.

Outubro de 2018 contribuiu assim para agudizar os níveis de esvaziamento das barragens algarvias e também para acentuar as preocupações em torno do futuro próximo dos recursos de água disponíveis para a região. É habitual que Outubro, mês que marca o início do ano hidrológico, não seja ainda um mês de recarga das reservas de água nas barragens algarvias mas, mesmo assim, em mais de 1 em cada 5 anos a precipitação que cai em Outubro é suficiente para aumentar as reservas nas barragens e, simultaneamente, para satisfazer todo o consumo que existe.



O decréscimo ininterrupto de reservas de água nas barragens algarvias que está na origem destas preocupações começou em meados de 2017. Desde então não se verificou qualquer alteração de tendência, já que a partir dessa data as barragens estiveram sempre a perder parcelas das suas reservas, mês após mês, sem que se verificasse o normal aumento, entre Novembro e o final de Abril, quando, em geral, as barragens algarvias atingem os seus picos máximos de água armazenada.



O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), na sua previsão mensal para o continente divulgada online no passado dia 28 de outubro, prevê, para o Algarve, uma precipitação ligeiramente acima do normal na semana de 4 a 11 de novembro, e uma precipitação dentro do normal para a época na segunda quinzena de novembro. Consequentemente, embora com otimismo moderado, é de esperar que chegue finalmente a alteração da tendência de esvaziamento das barragens algarvias, encerrando-se um período de 20 meses sempre a perder água armazenada.


Barlavento online

47 views
BLOG | Nuno de Santos Loureiro